Pesquisar neste blogue

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Olivença

Antiga vila portuguesa do Alentejo, a sua origem remonta ao século XIII, aquando da reconquista cristã pelos Templários. Passou definitivamente a território português em 1297, altura em que foi assinado o Tratado de Alcanises, por D. Dinis e Fernando IV de Castela, que definia as pertenças territoriais de cada reino. Foi na época de D. Dinis que foi ordenada a construção de uma fortificação na vila, reforçada posteriormente através, por exemplo, da construção de uma torre de menagem no reinado de D. João II, no século X, e da ponte da Ajuda (também conhecida por ponte da N. Sra. da Ajuda ou de Olivença) sobre o rio Guadiana, ordenada por D. Manuel. Após a ocupação do trono português pela dinastia filipina, começaram as disputas pela posse de Olivença entre Portugal e Espanha. No período da restauração, em 1640, e nas guerras que se seguiram, Olivença foi ocupada por um duque espanhol, sendo devolvida a Portugal na sequência da celebração de um tratado de paz, em 1668, no qual Espanha reconhecia a independência de Portugal. Olivença voltou a sofrer a ocupação espanhola em 1801, durante a Guerra das Laranjas. Como, na luta contra a Inglaterra, Portugal recusou juntar-se à França, que tinha Espanha como aliada, estes dois países pretenderam conquistar o território português. Após as guerras napoleónicas, realizou-se o Congresso de Viena, onde não foi reconhecido internacionalmente o domínio espanhol de Olivença e foram reforçados os direitos de Portugal. Espanha assinou o tratado de devolução, mas, contudo, nunca cumpriu o acordo até aos dias de hoje.

1 comentário:

  1. À época de Reconquista cristà, o territorio à margem esquerda do rio Guadiana foi conquistado aos mouros pelas forças de Alfonso IX de Leâo (León) em 1230. O territorio de Olivença foi cedido por ele à Ordem do Temple.

    Em 1262 (Convençâo de Badajoz) o rei Alfonso X el Sabio integrou Olivença â coroa de Castela e Leâo.

    Em 1297, A regencia de Maria de Molina em Castela acarretou uma grave crise política, com uma sublevaçâo da nobreza no reino. Os musulmanes também intentaram uma ofensiva. O rei de Portugal, Dom Dinis aproveitou-se desta situaçâo para ocupar Olivença. Feito reconhecido pelo tratado de Alcañices.

    Sob Portugal, Olivença tornou-se numa das vilas mais fortificadas de Europa.

    500 anos depois a situaçâo mudou-se outra vez mais, na chamada guerra das laranjas, naque os espanhois, sob o comando de Manuel Godoy, conquistaram Olivença (e outras prazas) No tratado de Badajoz reconheciu-se a pertencia de Olivença a Espanha.

    O Congreso de Viena (1815) porém, "recomendou" que Espanha e Portugal tivessem conversaçôes para a pacífica devoluçâo da vila a Portugal. Nâo obstante, as conversaçoes talharam-se ao demandar Espanha a retirada dos portugueses de Uruguay (ocupado por eles no contexto das guerras de independência de América Latina).

    Os portugueses nâo se retiraram vontariamente, senâo pela independência de Brasil e a sublevaçâo dos uruguayos.

    Bem. Tudo isto é história. Como ë a situaçâo actual?

    Hoje em dia considera-se de importância essencial a opiniâo e os desejos das povoaçôes afectadas (Bem sabemos isto os espanhois no caso de Gibraltar!)

    Que pensan os oliventinos? Queren ser eles portuguêses o espanhois?

    Nâo sei se alguma vez se fiz um inquerito nesta vila sobre ista questiâo. Sei, porém, que Dom Ramón Rocha (PSOE), presidente da Cámara Municipal de 1979 até 2007 (um dos alcaides mais "longevos" de Espanha) tem declarado muitas vezes que ele se sente espanhol. Nâo obstante quer ter boâs relaçôes com o pais vizinho.

    Assim pensa ele...e ganhou sete vezes nas eleçôes com maioria absoluta.

    ResponderEliminar